quinta-feira, 10 de maio de 2018

Sul-coreano que morreu em fábrica de Tietê atuava de forma irregular, diz Ministério do Trabalho

O sul-coreano que morreu prensado na máquina de uma fábrica em Tietê (SP) estava trabalhando de forma irregular, segundo informações do Ministério do Trabalho e Emprego.
A pasta informou  que, apesar de o estrangeiro não estar ilegal no país, ele não tinha autorização para trabalhar e sua situação era irregular.
O Ministério do Trabalho e Emprego ainda ressaltou que não foi encontrada nenhuma solicitação de autorização de residência e trabalho no sistema a pedido de Hoon Wong.
De acordo com a Polícia Federal, o rapaz, de 31 anos, havia chegado ao país dia 10 de abril, ou seja, estava há menos de um mês no Brasil.
Ainda segundo a PF, o Hoon tinha um prazo de 90 dias para fazer a renovação do visto ou pedir a alteração de categoria.
O corpo de Hoon Wong foi liberado e encaminhado à Coréia do Sul. A Polícia Civil vai investigar as condições de trabalho dos funcionários e as causas do acidente.

Acidente
De acordo com a Polícia Civil, o sul-coreano morreu prensado em um torno mecânico, usado para produzir rolamentos, no fim da tarde de segunda-feira (7) na fábrica Shilla Brasil Indústria de Rolamentos de Giro, que fica localizada no bairro Praia Grande.

O Corpo de Bombeiro informou que outros funcionários acionaram o resgate e, antes da equipe chegar ao local, conseguiram abrir a máquina, que tem aproximadamente três metros de diâmetro, para agilizar o salvamento.
Os bombeiros disseram ainda que o homem chegou a ser levado ao hospital da cidade, porém, ele não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade hospitalar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário