terça-feira, 17 de outubro de 2017

Polícia faz perícia em depósito de carvão interditado na Zona Norte do Rio

Após a interdição de um depósito de carvão em Padre Miguel, na Zona Norte do Rio, a Delegacia de Polícia do Meio Ambiente (DPMA) e auditores fiscais do Ministério Público do Trabalho (MPT) realizam trabalho conjunto no local na manhã desta terça-feira (17).
A Polícia fará uma perícia complementar no local, enquanto o MPT pretende colher depoimentos para abrir um procedimento de fiscalização contra o empregador de vários trabalhadores que atuavam em condições análogas à escravidão. O galpão, interditado há seis dias, pode ser reaberto ainda nesta terça.
A interdição foi mostrada em reportagem do RJTV na última quarta-feira (11). Na sede da Pinga Fogo Comércio Varejista de Carvão Vegetal, uma empresa de embalagem e empacotamento de carvão, trabalhavam 20 funcionários. Nenhum deles tem carteira assinada e todos confirmaram condições insalubres de trabalho.
A empresa possui licença ambiental para a atividade, mas segundo peritos há condicionantes que não são respeitadas.
Segundo um dos trabalhadores, a máscara utilizada por eles não é suficiente para proteger da poeira. “Aí é cuspir carvão o dia todo”, diz o trabalhador ao explicar as condições que volta para casa.
Na última semana, o responsável pelo galpão negou qualquer irregularidade e disse que está cumprindo todas as exigências.

Nenhum comentário:

Postar um comentário