sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Sesau de Rondônia realiza Simpósio de Enfrentamento ao Assédio Moral no Trabalho

Para alertar a população sobre a prevenção e enfrentamento do assédio moral no ambiente de trabalho, a Sesau (Secretaria Estadual de Saúde de Rondônia) realizou em 12 de dezembro de 2017, por meio do Cerest (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador) o I Simpósio Estadual de Enfrentamento ao Assédio Moral no Trabalho. O evento é aberto ao público e ocorre durante todo o dia, manhã e tarde, no auditório do Palácio da Cultura Nenê Macaggi.
Participaram como palestrantes, psicólogos e profissionais da área da saúde, falando das implicações na saúde do assediado, além de advogados que abordaram as implicações jurídicas dos casos de assédio moral.
O Simpósio contou ainda com a presença do psicólogo e professor, José Carlos Zanelli, especialista estadual no assunto, realizando o lançamento do livro Fatores de risco, proteção psicossocial e trabalho: organizações que emancipam ou que matam.

Problemas emocionais, depressão, ansiedade e gastrite são algumas das complicações desenvolvidos por pessoas que sofrem assédio moral no trabalho. O secretário adjunto de Saúde, Marcelo Borba, explicou que o assédio moral no ambiente de trabalho pode ser prejudicial à saúde do trabalhador.
“É um tema muito complexo, o assédio moral não está restrito somente a piadas críticas ou insultos, mas sim é uma questão muito mais ampla. Eu acredito que é importante que todos fiquem atentos, para a gente possa ter uma visão global de tudo isso”, explicou Marcelo.
Para os representantes da classe trabalhadora, é muito difícil o combate ao assédio moral, devido às variáveis que o tema apresenta. “Vários fatores podem ser considerados como assédio moral, como; a discriminação por cor, ou raça. Esse simpósio é muito importante para a classe trabalhadora, no sentido de debater e explorar o máximo dos nossos palestrantes para tirarmos nossas dúvidas”, disse o vice-presidente do Sindsep-RR (Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Roraima), Gilberto Rosas.
Segundo a psicóloga Edna Andrade, o simpósio trouxe pra discutir e alertar a população sobre os riscos um assunto muito antigo, mas que está sempre presente no dia a dia dos trabalhadores e que deve ser tratado como caso de saúde. “Há um anseio do trabalhador quando sofre o assédio, e o Cerest é a porta de entrada do trabalhador. Ele apresenta sua queixa, a gente faz o acolhimento, realiza todos os procedimentos documentais e tomamos todas as providencias que é preciso, inclusive tratamentos psicológicos”, destacou Edna.

Nenhum comentário:

Postar um comentário