sexta-feira, 13 de julho de 2018

Explosão em fábrica na China deixa mortos

Uma explosão em um parque industrial em Yibin, no sudoeste da China, matou ao menos 19 pessoas, afirma a agência chinesa de notícias CGTN. Outras 12 ficaram feridas no desastre que, segundo a agência Reuters, atingiu uma fábrica de produtos químicos.
A explosão ocorreu na manhã desta quinta-feira (12). Ainda de acordo com a Reuters, o incêndio terminou às 23h30, hora local (12h30, em Brasília).
De acordo com a agência chinesa Xinhua, o estado de saúde dos feridos é "estável".
Não há informação sobre o tipo de produtos químicos produzido pela usina que explodiu. O governo local também ainda não sabe, segundo o último comunicado, o motivo da explosão.
Em 2015, uma explosão em um armazém de produtos químicos em Tianjin, no norte da China, deixou 165 mortas. Por causa da tragédia, o governo local mandou prender 12 pessoas.

65º Encontro Presencial do Fórum Acidente de Trabalho

No dia 07 de agosto de 2018 será realizado o 65º Encontro Presencial do Fórum Acidente de Trabalho com o tema "Saúde do Trabalhador no SUS: caminho percorrido, desafios e perspectivas". 
O encontro acontecerá das 8:30h às– 12:00h, na FUMEP - Av. Monsenhor Martinho Salgot, 560 - Areião, Piracicaba - SP.
Inscrições livres e gratuitas em www.fsp.usp.br ou no momento do evento.
Vagas limitadas!

Veja pôster do encontro em: 

12 operários são encontrados em condição similar a de escravo em Fortaleza (CE)

oze operários da construção civil foram encontrados na noite desta quarta-feira (11 de julho) trabalhando em condições análogas a de escravo em Fortaleza (CE). Agentes da Polícia Federal e auditores da Secretaria da Inspeção do Trabalho e do Ministério Público do Trabalho, encontraram o alojamento localizado na Avenida Rogaciano Leite, no Bairro Patriolino Ribeiro, a poucos metros da Câmara Municipal de Fortaleza.
Os homens trabalhavam com reformas em apartamentos de luxo. A situação do local onde moravam, contudo, era outra. Os fiscais do MPT indicaram que os trabalhadores dormiam em redes e camas improvisadas, com chão ainda no reboco, cozinha suja e o lixo depositado em uma vala. Havia um único banheiro para todos eles, apenas com um chuveiro. As necessidades fisiológicas eram feitas no matagal existente na área exterior do prédio.

"Acidente do trabalho e doenças ocupacionais. Doença do trabalho e o meio ambiente do trabalho"

O trabalho de pesquisa intitulado "Acidente do trabalho e doenças ocupacionais. Doença do trabalho e o meio ambiente do trabalho" tem por objetivo analisar e diferenciar o conceito de acidente do trabalho, especialmente no que se refere às diferenças entre doença profissional e doença do trabalho, causada por um meio ambiente do trabalho prejudicial à saúde do trabalhador; temos que é difícil a tarefa de caracterização como doença proveniente do trabalho, tendo em vista que depende do estabelecimento do nexo causal entre causa e efeito. O presente estudo envolve ainda a análise da legislação pertinente, bem como os benefícios previdenciários que podem ser concedidos em decorrência de acidente do trabalho. Ao final, abordaremos a primordial importância da Segurança e Medicina do Trabalho na diminuição dos riscos na empresa, fazendo referência às Normas Regulamentadoras (NR’s) do Ministério do Trabalho e Emprego; e ainda, quanto à responsabilização do empregador e as respectivas ações judiciais cabíveis nas esferas trabalhista e previdenciária.

Leia o trabalho de pesquisa em: 

Verdades e mentiras no discurso dos ruralistas sobre pesticidas

Em Fórum de Acidente de Trabalho, USP e UNESP  divulgam debate sobre a veracidade de várias afirmações feitas pelos deputados da bancada ruralista durante as discussões da comissão especial que aprovou o substitutivo do deputado Luiz Nishimori (PR-PR) ao PL 6.299, o famoso PL do Veneno, no fim de maio. Tal projeto visa a afrouxar as regras para a aprovação de pesticidas no Brasil, sob alegação de que a lei atual é “antiga” e impede a “modernização” do campo.

Veja os principais pontos de discussão a seguir: 
“A nova lei vai aumentar a segurança para a saúde e o meio ambiente e reduzir o uso de agrotóxicos, pois introduz tecnologias mais modernas.”
Não necessariamente. Pesticidas mais modernos de fato são usados em doses menores, porque são muito mais específicos para as pragas que visam combater. Mas quem diz que a mera adoção da tecnologia vai reduzir o impacto ignora fatos básicos sobre a natureza humana: se um produtor rural tem à sua disposição uma tecnologia mais moderna que vai aumentar sua produtividade, o que ele faz é produzir mais, aumentar sua área de plantio e usar mais dessa tecnologia para ganhar mais dinheiro, e não se contentar estoicamente com manter a produção no mesmo patamar de antes só para poder usar menos insumos.

Em 2017, auxílio por acidentes e doença somaram R$ 544,2 milhões em SP

Em 2017, os trabalhadores afastados por doença ou acidentes de trabalho no estado de São Paulo receberam R$ 544,2 milhões em benefícios. Segundo o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), o número de empregados que recebem auxílio doença devido a acidentes variou entre 29,8 mil em janeiro do ano passado e 23,6 mil em dezembro.
Ao longo de 2017, foram concedidos 50,5 mil benefícios a acidentados e adoecidos em todo o estado. As fraturas do punho e da mão foram a maior causa desses afastamentos, com 7,5 mil casos. Além das fraturas, há ainda os ferimentos nessa região, que somam 1,4 mil ocorrências e as amputações da mão, 1,2 mil. Foram registradas ainda 3,4 mil fraturas do antebraço. As fraturas da perna, pé e tornozelo somaram 8,5 mil casos. Em todo o país, foram 196,7 mil afastamentos por problemas de saúde relacionados ao trabalho.
Somado com as aposentadorias por invalidez, o INSS desembolsou R$ 1,6 bilhão em 2017 para trabalhadores vítimas de doenças ou acidentes de trabalho em São Paulo. Em dezembro eram 50,3 mil beneficiários nessa situação no estado.

Ambiente de trabalho
São Paulo foi, em 2017, o estado com o maior número de autuações por não cumprimento das normas de segurança, representando 15,54% do total. Das 78,3 mil autuações aplicadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego ao longo do ano, 12,2 mil foram em empresas paulistas, atingindo 3,3 mil estabelecimentos.

Prefeitura de Aracaju (SE) mantém cuidados para a Saúde do Trabalhador

Preocupada com a saúde dos trabalhadores da capital, a Prefeitura de Aracaju (SE), através da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), por meio da Rede Nacional de Atenção à Saúde do Trabalhador (Renast), do Centro Regional de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) e Vigilância à Saúde do Trabalhador (Visat), desenvolve diversas ações para a promoção da saúde dos trabalhadores formais, informais, públicos, privados, desempregados e aposentados.
O funcionário que foi vítima de acidente no ambiente de trabalho ou adquiriu uma doença devido à atividade profissional que exerce ou já exerceu, recebe atendimento especializado por meio do Cerest. São disponibilizados serviços como exames audiométricos e de voz em parceria com a Universidade Federal de Sergipe, consultas médicas em saúde do trabalhador, recebimento de denúncias trabalhistas com investigação dos casos notificados, além de orientações sobre os cuidados necessários para a prevenção de acidentes de trabalho.
Uma equipe multidisciplinar com profissionais da área de saúde e segurança realiza visitas de matriciamento às empresas, vigilância em locais de trabalho e rodas de conversa para falar sobre os riscos de acidentes. “Realizamos um trabalho preventivo, os profissionais dão orientações sobre os riscos de acidentes de trabalho e, a partir do acidente ou doença adquirida, também orientamos o profissional para onde ele deve ir, o que deve fazer, quais exames realizar e onde fazer esses exames. Fazemos o encaminhamento para que ele tenha acesso à Rede de Atenção de Saúde”, explicou a  coordenadora da Renast, Yara Verônica. Além de Aracaju, o serviço atende municípios como Barra dos Coqueiros, Divina Pastora, Itaporanga D’Ajuda, Laranjeiras, Riachuelo, Santa Rosa de Lima e São Cristóvão.